PARCEIRO

test

News

Post Top Ad

Your Ad Spot

domingo, 6 de outubro de 2019

Confusão na Alfândega - Parte V


Aeroporto de |Narita, Chiba. Foto: Get Around Japan.

10/03/1990

A decolagem foi tranquila, embora eu estivesse com as minhas mãos suando frio, o coração acelerado e com palpitações no peito e no estômago causadas pela tensão, quando senti que as rodas do avião estavam soltas no ar. 


O rangido que fazia quando os trens de pouso estavam sendo recolhidos, além da trepidação causada pela rajada de vento arranhando a fuselagem, quase me fizeram molhar as calças. Assim que o Boeing estabilizou no seu curso de voo, corri para o banheiro.

O tempo parece que havia parado, olhava constantemente o relógio e os ponteiros pareciam estar dormindo. Já havia levantado “dezenas” de vezes para ir até o fundo do avião, fumar um cigarro. O ambiente estava silencioso com os passageiros perdidos no terceiro sono. O único som que ouvia era os das quatro turbinas do monstrengo branco, que de vez em quando parecia que ia desabar em queda livre ao passar pelas zonas de turbulência. Parecia uma estrada esburacada, daquelas do interior do Goiás, quando vamos para uma fazenda.

Sem sono ficava pendurado na janela olhando para o vazio. Pelo tempo de viagem devíamos estar passando por cima da floresta amazônica, encoberta pelas densas nuvens. O céu estava coberto de estrelas cintilantes parecendo com milhares de vagalumes espalhados na colina. Uma luz branca prateada iluminava a escuridão com a lua agora toda inflada parecendo estar na sua fase cheia.


Mal começou a viagem e já estava agoniado. Imagina então ter que suportar ficar aprisionado dentro de um casulo, sem poder abrir a porta para dar uma volta lá fora, nas próximas 10 horas, antes de chegar a Los Angeles, onde faríamos um pouso para reabastecimento. E, depois, ter a paciência de Jó nas próximas 12 horas?

Já cansado de não fazer nada senão ficar andando em círculos no fundo do avião, retorno para o meu assento que ficava na ala central, tentando não atrapalhar o sono do passageiro que está ao meu lado. Ao me acomodar, puxo o cobertor para poder me aquecer um pouco. O ar condicionado parece ter sido fabricado no pólo norte. Minhas pálpebras pesadas parecem ter passado por uma tempestade de areia. O corpo parecendo uma tonelada de carne, não suporta o próprio peso e se afunda na poltrona. Antes que a sombra da noite cobrisse meus olhos, uma imagem angelical surgiu diante de mim, com um sorriso meigo e, quando seus lábios se aproximaram dos meus, adormeci.

A viagem até o aeroporto de Los Angeles prosseguiu tranquila sem nenhuma ocorrência. Menos mal, com a metade do percurso chegando ao fim. Há poucas horas estava vendo, maravilhado, as luzes das cidades do México. Uma bela vista surgia lá embaixo com o mar avançando pelas encostas do litoral da Califórnia. As elevações de montanhas lembravam muito, as serras do Mar do litoral paulista. O que me deixava um pouco confuso era que ali estava amanhecendo ainda, enquanto o meu relógio avisava que já era a hora do almoço. Complicado este negócio de fuso horário. Pouco depois estavam servindo o café da manhã.

Umas duas horas após o pouso para abastecer o avião, começamos a taxiar para a cabeceira da pista para a decolagem. Minutos depois, percebemos que algo estranho estava ocorrendo com o Boeing, porque ele retornava para o aeroporto. O comandante do avião, no mesmo instante avisou que houve uma pane no sistema hidráulico e estava levando o avião para o hangar para a vistoria e reparos. Suspirei aliviado: “Ainda bem que não tinha decolado. Melhor aqui do que cair no Alasca!”.

Só não queria voltar para aquele salão onde os passageiros ficavam confinados enquanto aguardavam o embarque para continuar a viagem. No trajeto pelo corredor a gente era acompanhado por agentes de segurança o tempo todo, com outros vigiando cada movimento nosso. Parecia uma prisão mesmo! Nessa hora senti pena dos animais dentro do zoológico. Fazer o quê? Cada país tem suas regras e seus costumes, era melhor eu ir aprendendo a conviver com isso, afinal estava indo para outro país, onde a cultura e o idioma eram totalmente diferentes do nosso.

Pensativo com tantos aborrecimentos que vinham ocorrendo comigo nas últimas semanas, nem me dei conta do tempo. Quando percebi já estávamos caminhando pelo corredor – infelizmente voltamos para lá – em direção do portão de embarque, onde o nosso avião aguardava. Mesmo com duas horas de atraso, estava conformado com a viagem, que por ser uma novidade, ajudava demais a arejar a cabeça. Se não fosse esta agonia que sentia, poderia aproveitar melhor a aventura.

Horas depois estávamos sobrevoando uma parte do Pacífico em direção ao Alasca. Era legal observar o aviãozinho no monitor que mostrava todo o trajeto com os detalhes do voo. Antes pensava que a gente ia em linha reta paralelo ao equador até o Japão, mas observando a rota percebi que era mais inteligente contornar o globo indo de São Paulo para o oriente passando por Los Angeles, Alasca e Ilhas Aleutas e depois ir descendo no sentido sul até chegar no Japão. 


O mais intrigante era a posição do sol. Parecia o dia mais longo que já passei na minha vida. Uma hora o sol estava à direita seguindo em direção ao mar. Horas depois estava à esquerda seguindo em direção da asa direita. Vai entender?!

Quase doze horas depois de sair do aeroporto de Los Angeles consegui avistar o Monte Fuji. Fiquei lá da janela do fundo do corredor contemplando aquela tão sonhada imagem. Embora cercada por algodões brancos, enxergava um borrão negro coberto por neve. Logo a seguir ouvi o aviso para apertar os cintos de segurança. O “indestrutível” elefante branco agora fazia manobras para apontar a sua tromba na direção da cabeceira da pista encoberta por névoas brancas, como se estivesse vendo as “Brumas de Avalon”. Em cerca de meia hora estávamos estacionando defronte a uma imensa estrutura metálica, toda envidraçada. Senti-me em outro mundo.

Assim que coloquei meus pés em solo japonês, a primeira impressão que tive foi o brilho dos pisos, a limpeza do local parecia "um brinco". Depois de uma longa viagem, nada mais justo do que esticar o esqueleto, respirar o ar puro. 


Segui a fila que terminava nos guichês do Departamento de Imigração. A conferência do passaporte e do visto estava tudo certo e fui liberado rapidamente. Dali em diante era pegar as bagagens, ir para a alfândega e encontrar o pessoal da agência de viagem, que deviam estar aflitos pelo atraso. Já passavam das três horas da tarde do dia 11. 

Havia algo estranho no ar, porque a diferença de horário entre o Brasil e o Japão era de 12 horas, então não entendia direito o que tinha acontecido se a duração da viagem que seria de 24 horas, no meu relógio estava marcando que a jornada foi feita em 39 horas. Descontando os atrasos, eu tinha realmente atravessado o túnel do tempo, porque estava 12 horas na frente. Era quase 4 horas da tarde de domingo, enquanto no Brasil eram 4 horas da madrugada. Complicado...

O aeroporto de Narita, estava parecendo uma cidade, apinhada de gente estranha bem arrumada, uniformes impecáveis. Eu estava um pouco atordoado, talvez afetado pelo fuso horário, mas aqueles zumbidos de um enxame de abelhas à minha volta faziam a minha cabeça rodar mais. 


Sem entender o que diziam, os altos falantes me transportaram para outro planeta. A sensação era de estar numa terra de gigantes, de tão encolhido que eu ficava. Ao perceber, já estava na fila da alfândega olhando aqueles policiais sorridentes e simpáticos, dentro daquelas fardas azuis claras.

Ao chegar a minha vez, um deles mostrou-me um cartaz com vários desenhos bem específicos. Questionado se trazia em minhas bagagens algum daqueles itens, neguei balançando a cabeça e fazendo gestos com as mãos. Como ele ficou na dúvida, por causa da minha ignorância com o idioma, pediu educadamente se podia abrir a minha sacola de viagem. 


Tranquilamente coloquei a bagagem sobre o balcão e comecei a abrir o zíper. Tirei o primeiro pacote que a minha cunhada havia pedido para trazer e abri para retirar as revistas e entregar para ser vistoriado. Ao perceber a segunda revista que estava por baixo da “Veja”, fiquei branco.

- Kore wa nan desu ka? – “O que é isto?” – disparou o policial, agora de cara fechada, abrindo as páginas e me apontando para as imagens contidas na revista Ele e Ela.

Eu estava mais surpreso que ele. Não sabia o que dizer – não falava o japonês – e muito menos tinha explicação. Eu não sabia da existência daquelas revistas que são consideradas pornográficas, portanto, contra a lei japonesa. 


Suava da cabeça aos pés e, tremia. O policial percebendo a minha situação exigiu que eu colocasse a outra bagagem no balcão pois iria revistar tudo. Ao abrir a mala fiquei pálido novamente. Agora estava ferrado mesmo. Como iria explicar aquilo que estava na mala. A minha mãe havia colocado contra a minha vontade aquela folha verde trançada para dar sorte. Como encarar aqueles olhos faiscando de raiva, de quem se sentiu enganado por mim?

Não tinha palavras para explicar que aquilo não era maconha. Ele cheirava, apertava, mexia. Olhava para mim e eu abaixava a cabeça. Continuou fuçando tudo, retirando as minhas roupas e jogando sobre o balcão. Eu já estava vermelho de vergonha com todo mundo olhando para mim e para as minhas cuecas expostas sobre um monte de trapos. Aí, quando o policial parou de repente de remexer dentro da minha bagagem e me encarou novamente, vi que a coisa ficou preta mesmo...

No fundo da mala, espalhado por todos os cantos havia manchas brancas do pó antisséptico Granada, que tinha aberto durante a viagem. O policial passou os dedos no pó e levou até à língua onde experimentou o gosto amargo. Rapidamente mostrei a embalagem aberta e apontei para o meu pé. Foi cômico demais. Ele fez careta com o nariz e ficou mais zangado ainda. Pelo menos não era cocaína. 
Aí chegou uma brasileira que estava na fila e, preocupada perguntou se poderia ajudar, pois falava o idioma japonês. Nessa hora agradeci aos céus e só não ajoelhei porque estava paralisado de medo. Ela esclareceu a tradição sobre aquela erva e o policial ficou satisfeito com a explicação.

Ao perguntar ao policial o que mais estava havendo, imediatamente ele pegou as revistas Ele e Ela e a Playboy e colocou na cara dela. A mulher ficou sem graça, me olhou nos olhos e sem dizer mais uma palavra, virou-me as costas e foi embora chocada. 


O policial então me chamou para o lado, mandou guardar tudo e pegou o saco com as revistas e pediu para acompanhá-lo. Fui parar no posto policial do aeroporto. Pensei comigo mesmo: “Nem cheguei e já vão me despachar de volta para o Brasil. Estou ferrado”. O apuro foi passar pelo interrogatório onde eu não entendia nada do que eles me perguntavam e, do lado contrário eles não entendiam bulhufas do que eu dizia. Acho que a simpatia nasceu entre nós, porque acabávamos rindo das nossas dificuldades de comunicação. No fim, foi feita a ocorrência daquela infração e o policial instruiu-me a preencher um formulário para entrar com uma petição no Ministério da Justiça para reaver os materiais apreendidos.

Uma hora depois estava andando a procura da saída do aeroporto e ao encontrar um portão com a palavra escrita em inglês “Exit”, foi por ali mesmo que passei. Já na parte externa fiquei procurando o pessoal. – “Caramba, acho que já foram embora”, pensei, tentando controlar o início de um pânico. Não sabia o que fazer. Nem para que direção ir. Estava perdido. Parei por um instante, fumei um cigarro para me acalmar enquanto tentava achar uma resposta para aquela situação bizarra. Imaginei o que faria se estivesse no Brasil. 


Rapidamente comecei a varrer com os meus olhos tudo à minha volta e vi. Fui apressado para lá e quando cheguei ao balcão, joguei o meu passaporte em cima e as passagens, chamei a atenção da atendente – linda por sinal - que ao virar-se para mim, eu estava apontando com o dedo o nome do meu pai dentro do passaporte e ouviu-me dizer desesperado: "Father, father!" Ela, sorrindo pegou meu documento e o microfone. Logo em seguida eu a estava ouvindo pelo alto falante chamando o meu pai. Em poucos instantes eu avistei a “sétima cavalaria” vindo em disparada na minha direção. Estavam assustados e me encontraram desta vez, sorrindo!

Fomos direto para o estacionamento enquanto ia explicando tudo o que tinha acontecido. O meu pai estava branco pelo susto que passou. As pessoas que vieram comigo do Brasil riram da minha história, enquanto a van que nos levavam entrava na rodovia em direção a Tokyo. O crepúsculo anunciava que esta seria a minha primeira noite no país do sol nascente. Ao cruzar o centro da capital japonesa fiquei impressionado com a quantidade de roupas penduradas nas varandas dos apartamentos ao longo da rodovia. Parecia uma metrópole de favelas. Essa foi a minha impressão que contrariava a imagem que eu tinha da cidade de Tokyo, através de fotografias e imagens das revistas.

Atravessamos Tokyo e seguimos em frente até a cidade de Yokohama, onde paramos defronte a um prédio. Subimos as escadas com as bagagens e nos mostraram os alojamentos em que passaríamos a noite. Conforme as pessoas entravam tiravam os sapatos e pegavam as sandálias arrumadas nas prateleiras ao lado da porta. 


A cozinha chamou-me a atenção porque ficava logo na entrada e era pequena. Havia apenas uma mesa estreita e comprida encostada na parede. O fogão era igual aquele de acampamento, só tinha duas bocas. A panela de fazer arroz eu já conhecia, era igual a que se tinha no Brasil. A ausência da sala chamou-me a atenção, com apenas dois cômodos com tatame para estender os colchonetes. Na manhã seguinte todos deveriam se apresentar para as entrevistas.

Assim que todos se acomodaram foram se reunindo na cozinha. Naquele prédio havia mais brasileiros alojados e recebíamos visitas com alegria e curiosidade. A troca de informações era muito importante ajudando a resolver os problemas imediatos, principalmente com a regra de como usar o ofurô, porque a fila era grande naquele momento. Já passava das sete horas da noite. 


Alguns estavam com fome e outros sentiam os efeitos do fuso horário ficando na dúvida se jantavam ou tomavam o café da manhã. Como só havia mantimentos para a refeição noturna, o jeito foi improvisar tudo. No meu caso eu estava no segundo grupo e sentia meu corpo baqueado devido ao horário maluco que estava vivendo. Era uma sensação muito estranha. O interior da minha cabeça parecia um vácuo impedindo um raciocínio lógico. Sentia uma letargia como se tudo à minha volta estivesse rodando em câmera lenta.

Foi neste estado que comi o meu primeiro lámen japonês com uma porção de arroz. Meu pai e eu improvisamos um canto para comer enquanto a nossa conversa ia de um ponto a outro, com ele querendo saber da família no Brasil e eu perguntando como estava a saúde dele, além de estar curioso querendo saber como ele estava se virando aqui neste país. 


Nesta época no hemisfério norte era a estação de inverno, por isso sentia um frio danado encolhendo-me a todo instante. Como o meu pai disse que estava apenas resfriado por causa do tempo gelado, fiquei tranquilo quanto à saúde dele. Parecia estar ótimo, melhor que eu naquele momento. Enquanto conversávamos ia tomando consciência de alguns detalhes sobre os costumes daquele país, pois o meu pai falava e escrevia o japonês, melhor do que muitos nativos dali. Orgulhava-me disto. Estava morando numa cidade chamada Toyohashi que ficava bem longe, em uma região mais ao sul de onde estávamos, e ele viera naquele trem bala que tanto já tinha ouvido falar. 

Embora ele estivesse empregado naquela cidade, disse-me que ia fazer também a entrevista no dia seguinte para ver se conseguia outro emprego perto de mim. Deu-me algumas orientações sobre como comportar diante dos japoneses – ele estava no Japão desde o segundo semestre de 1989 -, e ensinou-me rapidamente algumas palavras básicas em nihongô (idioma japonês).

Então, após o jantar não tinha mais coragem nem para continuar conversando. Morto de cansado, fui para o canto em um dos cômodos, arrumei a “minha cama” e, apaguei.


Em Luz e Amor,
Shima.

... continua...


◆ Para acessar todos os artigos desta série, clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

NOSSAS PUBLICAÇÕES

Post Top Ad

Your Ad Spot

Páginas